Baja California camping car camping México road travel

Pra que 2 Estepes na Baja Califórnia???

Conseguimos gasolina! Parece que tudo voltou ao normal nos postos mexicanos. Por la carretara, seguimos ao sul. A ideia era buscar um camping ainda no Mar de Cortês antes de voltar ao Pacífico.
Dirigimos algumas horas até chegar a Baía de San Luis Gonzaga, onde encontramos uma praia quase deserta com palapas para acampar e muito pouca gente, casais de Seattle e alguns canadenses.

Fogueira e lua cheia

A Caturrita em uma palapa mexicana…

Bajo la luna Mexicana

Seguimos nosso ritual de montar acampamento e como aindatinha um resto de dia conseguimos aproveitar o final de tarde. Fizemos uma fogueira e jantamos com a lua cheia subindo refletindo no mar. Um canadense que voltava do sul falou que as próximas 22 milhas (ou 35 km) eram de estrada em construção, e que teríamos que ir bem devagar. Mas eram apenas 35 km…

Dia de Rally

Rally pelas carreteras da Baja California

Acordamos cedo e seguimos estrada. O que era pra ser “apenas” 35 km se transformou em quase duas horas de rally por um vale deserto, com uma estrada em construção e um cemitério de pneus rasgados pelas pedras afiadas.
Faltando uns 15 km para terminar o “rally” encontramos uma mini-van aparentemente abandonada, sem uma das rodas e apoiada por uma pedra! Quando íamos tirar uma foto do carro abandonado, de dentro sai um rapaz com um livro na mão; perguntamos se queria ajuda, mas ele disse estar tudo bem, já havia conseguido ajuda e agora só restava esperar os amigos voltarem.Eram alguns garotos de Barcelona que estavam de ferias por aqui. Seguimos pela carretara “em construção” quando nos avisaram que tínhamos um pneu furado!

Descemos para consertar e descobrimos que um dos parafusos que prendia o estepe não tinha a mesma bitola que a nossa chave de rodas. Peguei nosso super kit de ferramentas apenas para constatar que também não havia uma chave naquela bitola. Por sorte o casal de canadenses que conhecemos na noite anterior vinha logo atrás e parou para nos ajudar. Enquanto tentávamos colocar o macaco embaixo do carro, com dificuldade em função do terreno e do peso da Maria, para o amigo do garoto de Barcelona com um borracheiro nos oferecendo ajuda, e ele surge com um mega macaco que levantou a Maria em segundos! Conseguimos trocar o pneu e chegar ao final da buraqueira onde para continuar a nossa sorte havia uma “llantera” (borracharia) logo junto ao final dos 35 km em construção, estrategicamente posicionada. Consertamos e seguimos viagem.

Rodamos uns 20 km e percebemos que tínhamos outro pneu furado. Começamos o processo de troca de pneu e notamos que nosso carro tinha parafusos de vários diâmetros em seus pneus. Mais uma vez não tínhamos a ferramenta para conseguir tirar o pneu furado. Depois de alguma espera passou um casal de mexicanos que parou e por sorte tinha uma chave de rodas no tamanho necessário. Conseguimos mais uma vez trocar o pneu, mas antes de seguirmos conferimos todos os parafusos de todas as rodas! Agora sim, poderíamos seguir certos de conseguir tirar qualquer pneu, caso necessário… Seguimos pouco mais de 2 km e encontramos mais uma llantera. Aproveitamos e consertamos o segundo pneu furado no mesmo dia! E para garantir, nos livramos de todos os parafusos de tamanhos diferentes que estavam na Maria gasolina…

De volta ao litoral

Estávamos de volta ao Pacífico! Chegamos em uma pequena cidade que não nos deu a menor vontade de ficar. Cheia de gente mal encarada e ninguém acampando por ali… Aí não dá! Decidimos seguir viagem até a próxima cidade, quando vemos um comboio de 3 camionetas com placas da Califórnia, cada uma com um casal. Eles pararam, olharam o mar e não se agradaram, fui conversar com eles e eles iam para um camping em uma praia próxima. Estavam esvaziando os pneus… sinal de que sairiam da estrada. A Caína não gostou muito da ideia, imagina mais um pneu furado no mesmo dia, numa estrada deserta, perto do anoitecer e com tempo fechado, ameaçando chuva!! Acabei convencendo a Neguinha, esvaziei nossos pneus e segui com o grupo. Rodamos por uns 40 minutos por estradas bem difíceis até chegar em uma baía com algumas palapas num estilo ‘maloquinha de madeira roots’ e uns 5 carros ao todo. Um point break de direita com ótimas ondas. Eu como ainda não tinha surfado esse ano, saí correndo pra água… Fiquei quase até escurecer, saí para arrumarmos nosso canto, comer e dormir. O pequeno camping estava quase lotado e teríamos que montar a barraca ao ar livre pois todas as ‘palapas’ estavam ocupadas, quando no último momento um dos americanos que nós tínhamos seguido para chegar à essa praia liberou a sua e nos ofereceu. Foi nossa sorte! Choveu torrencialmente a noite toda, como não chovia há anos na região! Se não fosse a palapa, teriamos uma barraca inundada e uma noite bem complicada…

Maloquinha com ondas ao fundo…

 

    7 Responses

  1. Que irado brow!!!
    Manda a localização que vou de Sportsmobile!!! Kkkkk…aproveitem

  2. Céus!!! Qta aventura!!! Pelo jeito valeu a pena ter seguido as camionetas… curtindo muito a aventura de vocês…beijos

  3. Está irado acompanhar a trip! Sempre ansioso pelo próximo capítulo! Enjoy my friends!

    1. Que legal Alemão… Agora rumo as ondas, esses devem ser os próximos capítulos! Abração pra vcs 3!!!

  4. Fala meu velho, saudade do amigo. Pois então, comecei a ler a história no escritório e quase me transportei para o México. Grande abraço e continue com teus relatos.

    1. Que legal Nando!!! Acompanhe por aí ou venha nos encontrar em algum lugar na América Central ou quem sabe aqui pelo México mesmo! Forte abraço!!!

Leave a Reply to Janete Oliveira Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *